Terça-feira, Janeiro 31, 2023
Historia

Historiografia Cristã Medieval e suas Caracteristicas

314views

A historiografia medieval é a aplicação da concepção de Santo Agostinho na sua obra “Cidade de Deus,” ao afirmar que os romanos foram honrados em quase todas as nações. Não têm motivos para se queixar da justiça de Deus supremo e verdadeiro: receberam uma recompensa. Em contra partida os judeus que tinham morto cristo, foram justamente entregues aos romanos para a glória destes. Aqueles que pela sua virtudes procuram obter a gloria terrestre devem vencer aqueles que com seus enormes vícios  mataram e recusaram a verdadeira gloria da cidade eterna.

Com a queda império romano do ocidente, um novo contexto histórico irá surgir, caracterizado pela destituição da economia urbana e comercial e o regresso a uma economia essencialmente agrícola e de subsistência, da qual resultará fatalmente o isolamento das populações. Todavia, os laços de consanguinidade são substituídos pelos estreitos vínculos da identidade religiosa, da comunhão da mesma fé, em que o pai ancestral e carnal é substituído pelo pai celestial cristão.

Foi uma época da regressão em vez duma expansão: as populações refluem novamente aos campos. As cidades arruínam-se, as rotas comerciais encurtam-se e acabam em muitos casos por desaparecer. O contacto e o intercâmbio de produtos e de ideias entre as comunidades ou povos diferentes (diferentes na língua, na raça, nos costumes, nas crenças, nas técnicas, na cultura) que tinham estado até aí, deixaram de ser possíveis.

Numa sociedade em que a actividade económica predominante era a agricultura, não há dúvidas de que a mão-de-obra servil está sujeita a uma corporação sacerdotal que a explorava em nome da divindade.

Trata-se de uma historiografia cristã, em que o Cristo é o enfoque principal. O cristianismo nasceu na Judeia (Palestina), região que fazia parte e era dominada pelo império romano. Os judeus devido a opressão submetida pelos Assírios, Persas, Gregos, Medos e Romanos acreditavam na vinda do Messias anunciado pelos profetas que os devia libertar da opressão dos povos estrangeiros a que estavam sujeitos e restauraria o trono de David restabelecendo no mundo o governo de Jeová, único Deus que havia revelado ao povo de Israel mediante Moisés.

No tempo do imperador romano Tibério César, nasceu Jesus que genealogicamente pertencia a linhagem de David. Com cerca 30 anos começa a pregar e operar milagres por toda a palestina que mereceu admiração e que mais tarde é acompanhado por discípulos nos meios humildes do povo Judeu. Dizendo-se o Messias o enviado de Deus, Jesus anunciava a boa nova: todos os homens são iguais perante Deus e podem obter a vida eterna. Esta mensagem era profundamente revolucionária na época.

Entre os Judeus da Palestina, algumas ceitas religiosas como a dos fariseus, receberam mal a doutrina de Jesus Cristo. Com o efeito estes não consideravam Jesus como o Messias anunciado pelos profetas do antigo testamento, pois eles pretendiam apenas ao povo de Israel. Deste modo acusam-no de agitador do povo, perseguindo-no e denunciaram-no ao governador romano Pôncio Pilatos. Depois de ser julgado, Jesus é condenado à morte e crucificado no monte Calvário em Jerusalém.

Após a morte de Jesus Cristo, a doutrina de Jesus foi levada pelos seus discípulos (apóstolos), a todo o mundo romano, cumprindo a palavra anunciada por Jesus “ide e anunciai a todas as nações”. Por toda a parte divulgavam que Jesus era o Messias anunciado ao mundo pelos profetas e o salvador do Mundo. Era o início do cristianismo.

As suas reuniões secretas, as críticas a sociedade esclavagista romana e a recusa em adorar os deuses romanos e prestar culto ao imperador, originaram numerosas perseguições desencadeadas pelos governadores de Roma.

Características da Historiografia Medieval

  • É universal, tendo começo no tempo de Adão e Eva e termina com o fim do mundo e providencialista;
  • Colocaloca a sabedoria divina (Teocentrismo) no topo e do homem em segundo plano;
  • É uma história onde toda a acção humana no tempo é impelida pelos dignos de Deus, o que fez da sabedoria da História sabedoria divina;
  •  É uma história apologética, visto que prevê o fim do homem e do mundo, tomando assim o carácter apocalíptico;
  •  É uma história repetitiva e cíclica;
  • É uma história de poucas críticas de documentos, sem profundeza pela veracidade dos factos, nem com a reconstituição fidedigna da história da humanidade.

Limitações da Historiografia Cristã Medieval

A vida da idade média esteve fortemente influenciada pela igreja católica que difundiu o cristianismo como forma de pensamento dominante entre a classe erudita e o povo, o que impediu a livre pesquisa provocando assim um forte retrocesso a história e de mais ciências.

Referências bibliográficas

EUSÉBIO DE CESARÉIA. História eclesiástica; [tradução Monjas Beneditinas do Mosteiro de Maria Mãe de Cristo] – São Paulo: Paulus, 2000.

FILORAMO, Giovanni; Prandi, Carlo. As ciências das religiões. São Paulo: Paulus, 1999. (Sociologia e religião).

HOORNAERT, Eduardo. Memória do povo cristão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

INWOOD, Michael. Dicionário Hegel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

Leave a Response