Quarta-feira, Setembro 28, 2022
Psicologia

 Doenças mentais e comportamentais

183views
As doenças mentais e comportamentais são muito frequentes em todas as sociedades, afectando indivíduos de ambos os sexos, de todos os grupos etários e condições socioeconómicas.

A noção de que as doenças mentais são um problema dos países industrializados e que nas comunidades rurais, menos afectadas pelo ritmo acelerado da vida moderna, é menor a prevalência de perturbações mentais não é sustentada por qualquer evidência científica. As perturbações mentais e comportamentais são consideradas como entidades com significado clínico quando originam alterações da capacidade cognitiva, do humor (emoções) ou provocam comportamentos que impedem ou dificultam o desempenham das funções pessoais e sociais do indivíduo, de forma sustentada ou recorrente. São caracterizadas por sinais e sintomas específicos, e têm geralmente uma evolução natural previsível.

A abordagem das doenças e perturbações mentais tem sido profundamente marcada ao longo da história por diversos factores culturais e religiosos, o que levou a Organização Mundial de Saúde (OMS) a propor um conjunto de descritores clínicos e de directrizes de diagnóstico que conduzem à lista de todas as perturbações mentais e comportamentais expressas na Classificação Internacional de Doenças ICD 10 (ver tabela), bem como critérios adicionais para a investigação e definição mais precisa dos problemas de saúde mental.

As doenças mentais e comportamentais apresentam um quadro muito heterogéneo. Algumas duram apenas algumas semanas, enquanto outros podem durar uma vida, por vezes apenas são detectadas após exame minucioso, enquanto noutros casos são impossíveis de ocultar mesmo a um observador casual. Alguns distúrbios são suaves, enquanto outros são graves e incapacitantes, sendo um pesado fardo para as comunidades. Entre estas perturbações destaca-se a depressão, a ansiedade, as perturbações associadas ao uso de substâncias psicoactivas, a esquizofrenia, a doença de Alzheimer e os distúrbios emocionais originados na infância e adolescência.

A depressão é caracterizada por perda de auto-estima e de interesse em actividades sociais, diminuição da energia e de capacidade de concentração, por distúrbios de sono e apetite. A depressão é frequentemente episódica, mas pode ser recorrente com episódios com duração de alguns meses a alguns anos intervalados por períodos sem doença e, em cerca de 20 por cento dos casos evolui para a cronicidade sem remissão. A severidade é muito variável, de ligeira a muito grave. Uma das consequências particularmente trágicas e frequentes da depressão é o suicídio que ocorre em cerca de 15 a 20 por cento dos doentes depressivos. A perturbação bipolar afectiva refere-se a pacientes com episódios de depressão juntamente com os episódios de mania caracterizados por humor expansivo, aumento da actividade, o excesso de confiança e incapacidade de concentração.

Sob a designação de ansiedade são integradas diversas perturbações, nomeadamente a síndrome de ansiedade generalizada, a doença do pânico, a perturbação obsessiva-compulsiva, fobias e o stress pós-traumático.

A síndrome de ansiedade generalizada é um estado de apreensão ou preocupação constante cuja causa não é identificável. Geralmente é acompanhado de irritabilidade e perturbações do sono. Embora seja geralmente considerada como uma perturbação não grave tem elevados custos sanitários e sociais, pois é muito frequente e por vezes com períodos com duração superior a 6 meses, podendo originar cronicidade.

A doença do pânico caracteriza-se pela ocorrência de crises ou ataques de pânico repetidos, acompanhado pela sensação de medo intenso. Os ataques são imprevisíveis e o doente teme persistentemente ter um outro ataque.

A perturbação obsessiva-compulsiva caracteriza-se pela ocorrência involuntária de representações, imagens ou impulsos repetitivos involuntários que podem ser acompanhados da necessidade imperiosa de realizar comportamentos estereotipados ou rituais, como por exemplo, lavar repetidamente as mãos por acreditar que estão sujas ou contaminadas.

As fobias são caracterizadas pelo medo excessivo, persistente e incontrolável, direccionado a um objecto ou a uma situação. As fobias classificam-se em agorafobia, sociofobia e fobias simples. A agorafobia é o medo de frequentar locais públicos e geralmente está associada à doença do pânico, a sociofobia consiste no medo de ser julgado pelos outros o que conduz a uma menor interacção social. As fobias simples são as mais comuns, particularmente nas crianças e caracterizam-se pelo medo de determinados situações, como por exemplo a presença de animais, a exposição a alturas, à escuridão ou a tempestades.

stress pós-traumático consiste num distúrbio desenvolvido após uma experiência traumática, como assaltos seguidos de violência, desastres naturais e guerras. Caracteriza-se por um medo intenso em reviver experiências perturbadoras, seja em sonhos, ou como lembranças vividas de imagens do passado, que invadem involuntariamente a consciência.

As perturbações mentais e comportamentais decorrentes do uso de substâncias psicoativas incluem os danos para a saúde física e mental causados pelo consumo de álcool, opiáceos como a heroína, canabinóides como a marijuana, sedativos e hipnóticos, cocaína, alucinógenos, tabaco e solventes voláteis.

O síndrome de dependência daquelas substâncias envolve o forte desejo de as consumir, o estado de abstinência fisiológica, perda de interesse em actividades sociais e persistência de utilização apesar do reconhecimento do dano causado a si mesmo e a outros. Embora o uso daquelas substâncias varie de região para região, o tabaco e o álcool são as substâncias mais utilizadas globalmente e as que têm consequências mais graves para a saúde pública.

A esquizofrenia é uma doença mental grave com início habitualmente na adolescência ou nos primeiros anos da idade adulta. A prevalência é semelhante em homens e mulheres, embora no sexo feminino o prognóstico seja mais favorável e o início geralmente mais tardio. Caracteriza-se por distorções fundamentais no pensamento, na percepção e na emoção, bem como pela profunda convicção em falsas realidades (delírio), originando consequências sociais muito adversas. Esta doença tem uma evolução variável, desde a cura clínica e reinserção social, em cerca de um terço dos casos, à recorrência ou mesmo cronicidade. Um número significativo de doentes com esquizofrenia, cerca de 30 por cento, tentam o suicídio em algum momento durante o curso da doença e cerca de 10 por cento põem termo às suas vidas.

A doença de Alzheimer é uma doença degenerativa primária do cérebro. É caracterizada pelo declínio progressivo das funções cognitivas como memória, raciocínio, compreensão, cálculo, linguagem, capacidade de aprendizagem e de julgamento. A doença de Alzheimer manifesta-se geralmente após os 65 anos de idade, embora não seja raro que ocorra mais precocemente. Apresenta um início insidioso com deterioração lenta e a demência é diagnosticada quando aqueles declínios são suficientes para comprometer as actividades pessoais do quotidiano.

Relativamente às perturbações originadas na infância e adolescência a CID-10 identifica duas grandes categorias específicas: as deficiências ou atrasos no desenvolvimento de funções específicas da linguagem (dislexias) ou do desenvolvimento global (autismo) e os transtornos hipercinéticos e de défice de atenção e hiperactividade. A evolução daquelas perturbações é constante, sem remissão ou recorrência, embora a maioria tende a melhorar com a idade.

Doenças mentais e comportamentais 

· Orgânicas, incluindo sintomas, distúrbios mentais (ex: a demência na doença de Alzheimer, delírio, doença de Parkinson);
· Perturbações mentais e comportamentais devido ao uso de substâncias psicoactivas (p.ex: síndrome de dependência do álcool);
· Esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e delirantes (ex: a esquizofrenia paranóide, transtornos delirantes, agudo e transitório transtornos psicóticos);
· Humor [afectivos] (ex: perturbação afectiva bipolar, episódio depressivo);
· Neuróticos, perturbações associadas ao stress e à somatização (ex: distúrbios de ansiedade generalizada, distúrbios obsessivo-compulsivos);
· Síndromes comportamentais associadas a disfunções fisiológicas e a factores físicos (ex: distúrbios alimentares, distúrbios do sono não-orgânicos);
· Transtornos da personalidade adulta (ex: personalidade paranóide, transexualismo);
· Atraso Mental Transtornos do desenvolvimento psicológico, (ex: autismo infantil);
· Perturbações comportamentais e transtornos emocionais com início na adolescência (ex: transtornos hipercinéticos);
· Transtorno mental não especificado

Leave a Response