Quarta-feira, Dezembro 7, 2022
Geografia

Desemprego: tipos, impactos, consequências, interpretação económica, medição da taxa (Moçambique)

85views

Desemprego: Conceito
O desemprego é uma situação ou condição em que um indivíduo se encontra quando não efectua actividades que lhe são rentáveis.

Classificação da população quanto ao tipo de actividade que efectua:
Numa sociedade, podemos distinguir os indivíduos quanto ao tipo de actividade que efectuam, denominando-os:
Empregados – são pessoas que exercem qualquer trabalho remunerado, bem como aquelas pessoas que têm emprego mas estão ausentes por motivos de doença, greve ou férias.
-Desempregados – são as pessoas que não têm emprego e procuram activamente por um emprego, encontram-se actualmente disponíveis para trabalhar.
-População activa – inclui todos os que estão empregados e desempregados.
-População inactiva (fora da força de trabalho) – inclui pessoas reformadas, demasiado doentes para trabalhar ou simplesmente pessoas que não procuram emprego.

Principais causas do desemprego
-Incapacidade da economia em gerar postos de trabalho em número suficiente para absorver os desempregados;
-A demanda de uma força de trabalho cada vez mais qualificada, capaz de acompanhar a evolução tecnológica;
-A baixa oferta da educação no geral;
-Os elevados índices de pobreza e elevadas taxas de analfabetismo;
-Redução do peso do Estado como empregador, dada a mudança do papel deste na Economia, visto que da —Economia centralmente planificada tende-se a mudar para uma Economia de mercado (rege-se pela lei da oferta e procura);
-Elevada vulnerabilidade do sector agrícola aos desastres naturais, chuvas em excesso e secas prolongadas, as quais geram grandes perdas financeiras fazendo com que os empresários demitam trabalhadores rurais para enfrentarem situações deste tipo;
-A crise económica predominante no país fazendo com que o consumo de bens e serviços diminua, pois, muitas empresas demitem funcionários como forma de reduzir os custos para enfrentar a crise.
Substituição da mão-de-obra pelas máquinas;

TIPOS DE DESEMPREGO
O desemprego de equilíbrio ocorre quando as pessoas ficam desempregadas voluntariamente, quando vão de um emprego para outro ou quando entram e saem da população activa e, é por vezes também designado por desemprego friccional porque as pessoas não podem passar de um emprego para outro instantaneamente. Neste tipo de desemprego, os trabalhadores escolhem estar desempregados ao comparar as suas preferências relativamente ao rendimento, características do emprego, lazer e responsabilidades familiares.

Por exemplo: Alguém está a trabalhar numa sorveteria e decide que o salário é muito reduzido ou que o horário não lhe é conveniente e decide abandonar o emprego à procura de outro melhor.

O mercado está propriamente em equilíbrio no sentido em que todos os trabalhadores que desejam empregos com os salários e as condições de trabalho correntes os obtêm, e todas as empresas que desejam contratar trabalhadores com as remunerações correntes conseguem encontrá-los. Alguns economistas designam por desemprego de equilíbrio para referir que as pessoas estão desempregadas porque preferem essa situação em relação a outras situações de mercado de trabalho.

O desemprego estrutural significa um desencontro entre a procura e a oferta de trabalhadores. Os desajustamentos podem ocorrer porque a procura para um tipo de trabalho está a aumentar, enquanto a procura para outro tipo de trabalho está a diminuir e os mercados não se ajustam rapidamente.

O desemprego cíclico ocorre quando a economia está a produzir abaixo do nível de pleno emprego, ou seja, acompanha o ciclo económico, sendo que aumenta em períodos de recessão e diminui em períodos de expansão.
IMPACTOS DO DESEMPREGO
Impacto social e psicológico
Como o trabalho ou emprego é considerado parte essencial da vida pelas pessoas, quando se está desempregado ocorre a exclusão social do indivíduo de parte da sociedade, o que desperta um sentimento de irresponsabilidade e desqualificação, que é um cenário capaz de paralisar a busca de alternativas pela pessoa, agravando cada vez mais a situação. As pessoas sofrem pela falta ou perda de emprego e reconhecimento e este estado pode se tornar mais crítico e gerar problemas psicológicos tais como, depressão, ansiedade, etc. bem como vários vícios relacionados com as drogas e bebidas alcoólicas. Contudo, o desemprego é uma das mais importantes causas de desestruturação familiar, gerando insegurança nos indivíduos e fazendo com que eles vivam sob constante pressão.

CONSEQUÊNCIAS DO DESEMPREGO
* Desagregação da estrutura familiar;
* Aumento da criminalidade e da prostituição;
* Entrada no mundo das drogas

INTERPRETAÇÃO ECONÓMICA DO DESEMPREGO
Perante uma situação de desemprego, a sua principal causa reside na existência de demasiados trabalhadores à procura de um número reduzido de empregos. No entanto, este fenómeno simples tem colocado tremendas dificuldades aos economistas há imenso tempo. A experiência mostra que os preços sobem ou descem para equilibrar os mercados concorrenciais. Ao preço de equilíbrio de mercado, os compradores desejam comprar o que os vendedores desejam vender.

FONTES DE RECRUTAMENTO PARA PESSOAS QUE PROCURAM EMPREGO

Agências de trabalho temporário
Promovem a recolocação no mercado através de contratos efectuados entre a agência e o colaborador que será sugerida a um cliente à procura de novos colaboradores.Plataformas de emprego
Esta é a maneira mais rápida e fácil de aceder e de se candidatar às ofertas de emprego, as empresas disponibilizam os contactos para envio de currículo
Redes sociais
É importante manter os dados profissionais sempre atualizados e seguir as páginas das empresas e agências que costumam publicar vagas.

MERCADO DE EMPREGO
É a relação entre a oferta de trabalho e a procura de trabalhadores, é o conjunto de pessoas ou empresas que em época e lugar determinados, provocam o surgimento e as condições dessa relação.

SEGURO- DESEMPREGO
É um programa governamental que protege parcialmente as rendas dos trabalhadores quando eles ficam desempregados. Os desempregados que deixam seu emprego voluntariamente, foram demitidos por justa causa ou acabaram de ingressar na força de trabalho não podem usufruir desse benefício. Os benefícios são pagos apenas aos desempregados que foram demitidos porque seus antigos empregadores não necessitam mais dos seus serviços.Como os benefícios do seguro-desemprego cessam quando o trabalhador arranjam um novo emprego, os desempregados dedicam menos esforços a procura de emprego e tem maior probabilidade de recusar ofertas de emprego pouco atraentes. Embora o seguro-desemprego reduza o esforço na procura de emprego e aumente o desemprego, não devemos, necessariamente, concluir que a política seja ruim. O programa atinge seu objectivo primário de reduzir a incerteza quanto à renda com a qual os trabalhadores se deparam. Além disso, quando os trabalhadores rejeitam ofertas de empregos pouco atraentes, têm a oportunidade de procurar empregos que melhor se adaptem às suas preferências e habilidades. Alguns economistas argumentam que seguro desemprego melhora a capacidade que a economia tem de combinar cada trabalhador com o emprego que lhe é mais adequado. O estudo do seguro-desemprego mostra que a taxa de desemprego em uma medida imperfeita do nível de bem-estar económico geral de uma nação. A maioria dos economistas concorda que eliminar o seguro-desemprego reduziam o desemprego na economia. Todavia, não há acordo entre eles sobre se o bem-estar económico seria aumentado ou diminuído por essa alteração na política.

DIFICULDADES PARA IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS DE COMBATE AO DESEMPREGO
As dificuldades para a implementação de políticas de combate ao desemprego, no entanto, não são pequenas. Desde há muito tempo, autores dos mais renomados afirmam que o desemprego é, sobretudo um problema político. Dentre eles destacam-se Michal Kalecki, John Maynard Keynes e Karl Marx segundo esses autores, quanto maior o nível de emprego maior se torna a escassez de trabalhadores. Pela lei da oferta e da procura, a escassez acaba elevando o preço da força de trabalho e, consequentemente, os custos de produção. Por esse motivo, seria de interesse dos empresários manter sempre um certo nível deliberado de desemprego, de modo a não permitir que os salários atingissem certos níveis, indesejáveis do ponto de vista do capital.

A dificuldade metodológica para a definição do desemprego é outro entrave possível para a implementação de uma boa política no combate ao desemprego. É preciso levar-se em conta que existe uma grande diversidade nas metodologias e critérios através dos quais o desemprego e contabilizado.

MECANISMOS DE REDUÇÃO DO DESEMPREGO
* Baixar a taxa do desemprego reduzindo o desemprego friccional (desemprego voluntario);
*Impulsionar o empreendedorismo;
*Criação de programas de treinamento com financiamento público para facilitar a transição de trabalhadores de indústrias em declínio para indústrias expansão;
*Apostar na educação e formação profissional.

Observações
No entanto, constata-se que o desemprego atinge mais os jovens, particularmente os residentes nas zonas urbanas que pretendem ingressar no mercado de trabalho pela primeira vez, sendo que grande parte da população sobrevive do sector informal, uma vez que o mercado tem uma série de limitações para jovens recém-formados.

Leia mais em: VAI À UMA ENTREVISTA DE EMPREGO?

Dicas para Mulher na Carreira Profissional

Leave a Response