Segunda-feira, Janeiro 30, 2023
Historia

Babilónia: Código de Hamurabi

203views

Localizada numa região fértil e num entroncamento de importantes rotas comerciais, Babilónia tornou-se um destacado centro económico e cultural, desenvolvendo uma civilização complexa, sofisticada e cosmopolita, documentada por muitos registos arqueológicos que atestam o cultivo da educação, do comércio, da ciência, de diversas técnicas e da arte, florescendo num vasto conjunto urbanístico cortado por canais e rico em monumentos, templos e edificações imponentes. A sua sociedade era estratificada, dominada por uma nobreza e por altos funcionários do governo, embora pouco se saiba sobre a sua organização social. Foi também um ativo centro de culto, e a religião, de caráter politeísta, liderada por um clero rico e poderoso, exercia grande influência em vários aspetos da vida pública e privada e nas atividades de Estado.

Os fundamentos do Despotismo e o Código de Hamurabi

Então o que será o Despotismo?

 Despotismo é uma forma de governo sob orientação de uma pessoa baseada no medo dos governados (população).

O chefe máximo (rei/imperador,) é chamado de Déspota; domínio da vontade de um senhor que detém um poder absoluto.

Para manter-se como um rei ou imperador, pai protector e justo e para ganhar a confiança dos povos vencidos e manter o seu domínio instituiu um conjunto de leis que ficaram conhecidos por Código de Hamurabi.

Hamurabi mandou gravar este conjunto de leis numa pedra para que passassem a ser utilizadas na resolução de diferentes problemas que acontecessem no reino. Estas leis protegiam os Homens ricos em prejuízo dos mais pobres.

O Código de Hamurabi

1. Se um homem acusa o outro e pretende que ele cometeu um assassinato, mas não pode provar, o acusador deve ser morto…

2. Se um homem rouba um boi ou um carneiro, um asno ou um porco, ou um barco pertecente a um Deus ou ao palácio, pagará trinta vezes mais; peretecentes a um homem comum, restituirá no decúpulo; se o ladrão nada possuir com que pagar, será morto.

3. Se um homem furar o olho de outro, ser-lhe-á furado um olho.

4. Se um médico faz num homem uma incisão profunda com uma lanceta de bronze e ocasiona a morte do homem, ou se ele opera o globo ocular com uma lanceta de bronze e cega o olho do homem, ser-lhe-á cortada a mão.

Leave a Response